Plataformas devolvem dinheiro nas compras on-line

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017 12:20:03 Horário de Verão de Brasília

Em matéria de dinheiro, cada centavo vale. Ainda mais se os trocados vierem como uma pequena recompensa nas suas compras do dia a dia. Esse modelo de relacionamento com consumidores, chamado de cashback, vem ganhando a adesão de operadores de cartões, sites de comércio eletrônico e até governos.

O cashback pode ser definido como “dinheiro de volta”. Você faz suas compras e recebe de volta um pequeno porcentual por ter usado uma bandeira de cartão, por exemplo. Não torna ninguém rico, mas facilmente paga um jantar especial de fim de ano ou zera o pagamento da anuidade do cartão.

O modo de funcionamento é parecido com o das milhas. No caso dos cartões de crédito, a recompensa pode ser convertida em dinheiro ou descontos na fatura. Entre os bancos e operadoras que oferecem esta opção estão Citibank, Original, Santander e Credicard para as bandeiras Visa e Mastercard.

Na internet, o retorno de parte do valor das compras ao consumidor está presente há mais tempo. A plataforma de descontos Méliuz, por exemplo, permite que os clientes embolsem uma quantia gasta nos sites por meio de resgates em dinheiro.

Para isso, o usuário deve criar uma conta e acessar as páginas do comércio eletrônico que estejam cadastradas na base da startup. O montante fica disponível entre 30 e 60 dias após a aquisição, mas para o saque é preciso que o saldo mínimo seja de R$ 20. Segundo a plataforma, os descontos variam de 2% a 20%. O número de cadastrados gira em torno de 1,5 milhão de pessoas, que receberam mais de R$ 24,8 milhões em créditos.

Quem também trabalha com esse sistema para o e-commerce é a Poup, que estorna cerca de 5% do valor gasto e permite um saque mínimo de R$ 30 após 60 dias de compra.

Para as empresas que oferecem o serviço, o que o torna atrativo para os estabelecimentos é a fidelização do cliente, que compartilha uma parte da comissão paga às responsáveis por oferecer o sistema de cashback e faz questão de gastar nos estabelecimentos.

Veja também

Em todos os casos, o funcionamento é parecido: um porcentual de 0,25% a 2% das compras à vista ou parceladas é convertido em pontos que podem ser transformados em créditos para resgate ou abatimento da fatura. Em geral, cada ponto equivale a R$ 1. Logo, o consumidor que gastar R$ 2 mil por mês e tiver um programa que retorne 1% do valor terá ao fim de um ano R$ 240. Já um sistema de milhagem que dá um ponto para cada dólar gasto entregará no mesmo período uma quantia próxima a 7.270 milhas.

Para o consultor financeiro Erasmo Vieira, o cashback nos cartões serve como uma forma de desconto na anuidade para quem não escapou dela. E entre os clientes que consomem muito com os cartões, mas viajam pouco ou não aproveitam as milhas, o sistema é mais vantajoso. No entanto, ele alerta: “se você está pagando uma tarifa muito cara por um cartão que retorna uma pequena parte dos gastos é preciso avaliar se realmente vale a pena”.

Na maquinha

Outra opção de cashback é a oferecida pela startup Beblue, que em parceria com a Visa e a Mastercard premia os compradores que realizarem as transações com a máquina da empresa. Para fazer valer os descontos, o usuário deve baixar o aplicativo e criar uma conta. Depois, é preciso digitar o CPF no aparelho presente no comércio para receber os créditos em uma conta, que só podem ser usados para abater as compras na rede de unidades afiliadas.

De acordo com o CEO, Daniel Abbud, o serviço chegará a Curitiba a partir de abril e terá mais de 300 lojas associadas, com a expectativa de chegar a mais de 2 mil até o fim do ano. Por mês, o aplicativo restitui cerca de R$ 1 milhão. “Os programas de cashback são complementares aos de milhagem, mas por meio deles os consumidores conseguem perceber um maior benefício. As milhas são mais usadas por pessoas das classes A e B, mas a maioria dos usuários não aproveita essa ferramenta”, diz.

Nota fiscal

Essa estratégia é a mesma usada em programas públicos de devolução de impostos. O Nota Paraná, por exemplo, garante a partilha de até 30% do ICMS recolhido e o crédito pode ser transferido para uma conta bancária ou usado para o pagamento do IPVA. O consumidor precisa apenas se cadastrar no site do programa e dar o CPF na hora da compra. Para quem faz compras pela internet, vale a pena ver se não tem créditos em programas em outros estados, como o Nota Fiscal Paulista, por exemplo. A prefeitura de Curitiba também tem programa parecido, chamado de Boa Nota Fiscal, que dá créditos no recolhimento do ISS.

Fonte - Gazeta do Povo